terça-feira, 14 de junho de 2011

Donas de casa desesperadas

Ontem jantei em Wisteria Lane. Embora eu não imaginasse que fosse viável comemorar-se o Santo António nessa parte do mundo, parece que é mesmo verdade. Lá estavam todos os casais perfeitos com seus filhos perfeitos nos seus carros perfeitos e vidas perfeitas. Nada contra. Sou até bastante a favor. Eu própria já pensei que poderia ser habitante de Wisteria Lane e fazer parte de um casal perfeito com filhos perfeitos e carros perfeitos e vida perfeita. Fiquei-me só pela parte do filho perfeito e muito bem. 

Sempre que me vejo num evento em Wisteria Lane Mode, vejo-me sempre como a Edie*. As minhas roupas nunca são como as das 'senhoras' presentes. As minhas histórias não incluem subidas em casal a picos de montanhas. Não proíbo as criancinhas de comer olhos de peixes. E, não raramente, sou apanhada a dar aos pequenos infantes porcarias que fazem os pais arregalar os olhos e as mães sorrirem amareladamente**. 

E depois eles interrogam-me directamente sobre qual é a minha actividade profissional e elas olham atentamente enquanto eu respondo a verdade mas o que me apetece mesmo dizer que é a profissão mais velha do mundo***. E começa a dar-me comichão nos dedos e no cérebro. Interrogo todos directamente sobre o que fazem na vida, olhos nos olhos, e interrogo-me onde anda a anfitriã perfeita que me deixou ali sozinha. Uma delas aproveita para dizer que uma vez que passa mais tempo desempregada do que empregada, pelo menos, a roupa está sempre passada e a casa arrumada. Tento empatizar. No fundo, no fundo, sou boa pessoa. Estar desempregada deve ser uma merda. Digo que, nessa parte, ela tem sorte que eu tenho uma pilha de roupa que nunca mais acaba para engomar. Isto irá virar-se contra mim uma hora mais tarde com a Lynette lá da zona atirando para o ar a frase solta "pois, mas ela não passa a ferro..." como contraponto para qualquer coisa (anda cá, minha rica menina, toma lá mais uns olhinhos de peixe...). 

Não entendo a reacção das habitantes das Wisteria Lanes perante uma mulher sozinha que surge nas suas 'ruas'. Eu simpatizei com as senhoras. Mas também vi a forma como mediam milimetricamente o top que eu vestia quando a mim me apetecia dizer que qualquer uma delas seria bem mais atraente que eu se vestisse um qualquer trapinho que não tivesse "roupa sem qualquer tipo de piada e totalmente desadequada à minha figura e Deus me livre que as pessoas reparem em mim" escrito na etiqueta. E apetecia-me dizer que não sou ameaça nem para elas nem para ninguém. Tomara eu que me deixassem viver a minha vidinha sossegada que eu quero tanto sarna para me coçar como quero fazer um clister com chumbo quente.

*Havia mais uma solteira e com menos uns tantos parafusos mas como estava em Anfitriã Mode, estava no seu best behaviour.
**Eu concordo que dar às duas miúdas os olhos de 80 sardinhas é capaz de não ter sido muito sensato, mas sempre era melhor que as deixar morder os rabos das sardinhas e voltar a pô-las na travessa que era o plano original delas!!!! 
***E é! A venda de serviços é a profissão mais velha do mundo. Sejam eles quais forem!

2 comentários:

Charlotte disse...

Com esta fizeste-me rir como já não ria há muito tempo *

Iceberg disse...

:)